Publicidade

Quem trabalha como corretor de imóveis sabe o quão complicada pode ser a vida financeira. A rotina atribulada e os diversos compromissos da profissão, muitas vezes, atrapalham a própria organização pessoal. A questão da finança pessoal para os corretores de imóveis também não é tarefa simples de se organizar. 

Afinal, como lidar com a sazonalidade dos lucros? Qual é a melhor forma de controlar os gastos a fim de planejar os investimentos? Se você trabalha no ramo, certamente já se deparou com essas questões.

Sendo assim, nós preparamos uma lista com 3 dicas preciosas sobre finanças pessoais para corretores. Com elas será possível se organizar e ter um melhor fluxo de receitas. Afinal, todos buscamos por estabilidade e conforto, não é mesmo?

Continue lendo o post para saber mais!

1. Anote tudo

Em termos financeiros, ser organizado é mais que fundamental. Tomar nota de tudo o que acontece em relação às movimentações que você faz é o primeiro passo para cuidar de suas finanças pessoais.

Seja nas velhas planilhas do computador ou nos novíssimos apps de controle financeiro, registre tudo aquilo que envolva seu dinheiro. Você pode, inclusive, separar o que é relacionado ao seu trabalho de seus gastos de ordem pessoal.

A ideia é que, aos poucos, você seja onisciente de tudo aquilo que faz com o seu dinheiro. Qualquer profissional autônomo deve levar em conta essa premissa, afinal, organizar-se é o começo de todo planejamento.

2. Espere pela concretização

Agora que você já sabe de seus planos e condições, a ideia é se sentir apto para investir corretamente, certo?

Publicidade

Infelizmente, muitos profissionais autônomos do ramo imobiliário cometem o erro de contar com a renda de uma venda que ainda não se concretizou. Por incrível que pareça, isso acontece até mesmo com aqueles que já estão há anos no mercado.

Evite ao máximo incluir algo que ainda não recebeu em sua contabilidade. Você pode se deslumbrar com uma boa oportunidade e — crente de que receberá um valor mais para frente — dar um passo maior que as pernas.

Por mais “fechadas” que algumas vendas pareçam estar, nós sabemos que as coisas, muitas vezes, acontecem em cima da hora. Ou seja, os clientes podem desistir quando você menos espera. Por isso, considere, na hora de se planejar, apenas aquilo que você já tem em mãos.

3. Poupe sempre

Muitos corretores sabem como fazer um fundo para comprar imóveis e realizar outras empreitadas pessoais. Ainda assim, acabam se esquecendo de poupar com outros propósitos como, por exemplo, ter uma reserva emergencial.

Quem trabalha na área sabe o quanto estamos sujeitos à imprevisibilidade dos lucros. Portanto, ter uma quantia guardada é essencial, porque ela evita que você passe por um aperto desnecessário ou deixe uma oportunidade imperdível passar.

Dessa forma, não basta apenas pensar em como reinvestir sua renda, mas também em como poupá-la proporcionalmente. Para fazê-lo, destine uma porcentagem fixa de seus ganhos para que permaneça intocável na poupança ou em algum título de sua preferência.

No começo pode até parecer um desperdício, mas esse montante pode ser bastante útil no futuro.

Você gostou dessas dicas de finanças pessoais para corretores? Então compartilhe este post nas sua redes sociais para que outras pessoas também possam aprender com elas!

Publicidade

Publicidade

Sobre o autor

Rede Silvinho Ximenes

Baseada no Know how do empresário mineiro Silvinho Ximenes, referência reconhecida no mercado imobiliário nacional dentro de seus 50 anos de profissão, a Rede Silvinho Ximenes® já é reconhecida como uma das mais admiradas redes de imóveis, formada por corretores autônomos, full service do Brasil.

Deixar comentário.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Share This