Ainda que receba influências de vários aspectos econômicos e políticos, como acontece em qualquer lugar do mundo, o mercado imobiliário em Belo Horizonte mantém uma dinâmica própria.

Afinal, a economia local e as demandas da cidade, bem como as ofertas de produtos existentes na capital, em grande medida, são fatores que influenciam bastante o setor de imóveis belo-horizontino.

Para que alcance um bom desempenho no exercício da profissão, é essencial que o corretor de imóveis consiga avaliar como está se comportando o mercado em que atua. Portanto, neste artigo você vai encontrar uma análise completa e descobrir se vale a pena ou não investir no mercado imobiliário em Belo Horizonte. Acompanhe!

O mercado imobiliário em Belo Horizonte nos últimos anos

O Brasil está vivendo um dos momentos mais significativos da sua história e está bastante claro que os vários fatos ocorridos nos últimos anos acarretaram sérias consequências para a economia nacional. Mas, em que medida tudo o que aconteceu no país recentemente afeta o mercado imobiliário em Belo Horizonte?

Como houve em todo o Brasil, a crise política e o período de recessão econômica forçaram para baixo o volume de negócios com imóveis na capital mineira. É preciso considerar que, da mesma forma que as regras do crédito imobiliário ficaram mais restritivas, a taxa de juros dos financiamentos se tornaram mais altos, dificultando a compra de imóveis.

Diante dessa situação, as construtoras reduziram bastante o número de lançamentos, o que também afetou o mercado de usados. Como consequência, se comparado ao desempenho em momentos mais saudáveis da economia, as imobiliárias passaram a fechar uma quantidade também menor de negócios o que, certamente, afetou o desempenho de grande parte dos corretores de imóveis.

Porém, é possível perceber que não houve risco de estagnação do mercado. Em lugar disso, o período foi de uma acomodação de preços e de negociações mais trabalhosas.

Mesmo assim, enquanto as crises política e econômica se desenrolavam, inúmeros negócios com imóveis foram concretizados na capital, dando uma clara demonstração do quanto o mercado imobiliário local é sólido. Com isso, agora que a economia já apresenta claros sinais de recuperação, a expectativa é que os corretores que atuam em Belo Horizonte se deparem com mais oportunidades de negócios e com maior facilidade nos fechamentos.

Demanda reprimida

Após a superação das dificuldades impostas pela recessão econômica, é de se esperar que o reaquecimento do mercado imobiliário da capital ocorra em espaço de tempo relativamente reduzido. A perspectiva é a recuperação acelerada em 2018.

Afinal, segundo os dados mais recentes da Fundação João Pinheiro, em 2015, a Região Metropolitana de Belo Horizonte apresentava um déficit habitacional de mais de 150 mil unidades — o maior da Região Sudeste brasileira. Isso significa a existência de uma enorme demanda que permaneceu reprimida enquanto a situação da economia estava desfavorável.

Considerando que os indícios de melhora do cenário econômico já são evidentes, a expectativa é o aumento do volume de negócios imobiliários na capital para os próximos meses, algo favorável para o corretor que atua na cidade.

Inflação controlada e taxa de juros baixa

De fato, o momento mais crítico da recessão já foi superado. Com a inflação controlada e a Taxa Selic reduzida para 7% ao ano, já não existem motivos para que os compradores de imóveis permaneçam arredios aos negócios.

Ao contrário, há uma tendência de flexibilização e de barateamento do crédito imobiliário que deve atrair os compradores. Um ótimo exemplo dessa nova situação está na retomada da linha de empréstimo imobiliário Pró-cotista, a qual passou a ser novamente ofertada pela Caixa Econômica Federal (CEF) em 2 de janeiro de 2018.

Além disso, a CEF também anunciou a elevação do teto de financiamento dos imóveis usados de 50% para 70%. Tudo isso aumenta o movimento do mercado imobiliário de modo geral, com especial efeito sobre o mercado belo-horizontino e sua necessidade própria de expansão.

Realinhamento dos preços

O realinhamento dos preços de imóveis na capital ocorrido nos últimos anos também pode ser visto pelos corretores de imóveis como um fator positivo. Afinal, os valores mais baixos tendem a facilitar as negociações nos primeiros momentos de recuperação da economia e aumentam as chances dos negócios serem concretizados.

Mesmo sem representar uma desvalorização dos imóveis da cidade, os preços foram reajustados de maneira menos intensa, como resultado da acomodação do mercado à realidade econômica recessiva.

Por exemplo, de acordo com os dados do site Agente Imobiliário, o preço médio dos imóveis em Belo Horizonte aumentou apenas 2% entre novembro de 2016 e novembro de 2017. Ou seja, os reajustes de preços dos imóveis na capital permaneceram abaixo dos 2,94% registrados para a inflação do último ano, algo favorável a quem pretende comprar. Como há uma pressão menor dos preços sobre o mercado imobiliário belo-horizontino, as perspectivas de reaquecimento são ainda mais promissoras.

Mercado residencial de luxo

O mercado imobiliário em Belo Horizonte manteve uma característica importante ao longo do período recessivo. Mesmo com a desaceleração do volume de negócios em outros segmentos, as vendas de imóveis residenciais de luxo continuaram apresentando um ótimo desempenho e prometem permanecer assim nos próximos anos.

Claros exemplos dos bons resultados do segmento podem ser encontrados nos lançamentos de condomínios residenciais localizados em bairros da Região Centro-sul da cidade — como no Anchieta, na Savassi e no Luxemburgo. O mesmo pode ser dito dos lançamentos ocorridos na Região Metropolitana— como os vistos no bairro Vila da Serra, em Nova Lima.

Em edifícios bem localizados, que oferecem requinte e conforto, os apartamentos com áreas a partir de 180 m² continuaram com boa procura, mesmo durante a fase mais crítica da crise.

Imóveis compactos

Em outra direção, o segmento de apartamentos compactos com até 30 m² e os lofts com até 50 m² também prometem apresentar ótimo desempenho nos próximos meses. Essa tendência surge com força em Belo Horizonte em função da redução da oferta de terrenos nos bairros mais procurados da cidade e do aumento do número de pessoas solteiras e de casais sem filhos que procuram por imóveis práticos, confortáveis e bem localizados.

Com o mercado aquecido, as construtoras devem intensificar os lançamentos nesse segmento, aumentando as possibilidades de negócios para os corretores da capital.

Ou seja, diante de tudo o que vimos neste artigo e considerando que em qualquer época os imóveis representam um ótimo investimento, é fácil concluir que o mercado imobiliário em Belo Horizonte apresenta as melhores condições para que, já a partir de 2018, o corretor de imóveis encontre o sucesso que busca na profissão.

Para tanto, é claro, é necessário que o profissional se mantenha conectado com as melhores informações sobre o setor, o que certamente você receberá se seguir nossos posts no Facebook, Youtube, Google Plus, LinkedIn e Instagram.

Sobre o autor

Rede Silvinho Ximenes

Baseada no Know how do empresário mineiro Silvinho Ximenes, referência reconhecida no mercado imobiliário nacional dentro de seus 50 anos de profissão, a Rede Silvinho Ximenes® já é reconhecida como uma das mais admiradas redes de imóveis, formada por corretores autônomos, full service do Brasil.

Deixar comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Share This