O mercado imobiliário passou por muitos altos e baixos nos últimos anos. Isso devido à instabilidade econômica e política que o país enfrenta. Porém, mesmo em tempos de crise, 2016 foi um bom período para quem quis investir ou fechar negócios nessa área.

Com os preços dos imóveis caindo e o início da estabilização da economia, este ano pode ser ainda melhor. Por causa isso, a tendência é que a recessão dê origem a um novo ciclo, pautado no reaquecimento das vendas e aluguéis.

Neste post, você vai descobrir quais são as principais expectativas para o mercado imobiliário em 2017 e 2018. Acompanhe:

Mercado imobiliário – A queda da inflação 

Os níveis da inflação, que fecharam 2016 em 6,2%, perderam um pouco de sua força neste ano (4,8%). Essa é uma consequência da própria crise, que ocasionou a redução do consumo da população.

Essa pequena queda somada à volta de uma economia mais aquecida, pode prever créditos imobiliários mais fáceis de se obter, estimulando o crescimento do mercado imobiliário. Neste momento, é importante que o corretor de imóveis se mantenha informado sobre as novas oportunidades dentro dessa área.

A queda da Selic

A taxa de juros básica (mais conhecida como ‘Selic‘) onerou o crédito imobiliário quando esteve alta em 2016 (alcançando índices de 13,75% ao ano), mas muitos economistas tinham uma opinião positiva sobre sua queda, estimando que ela alcançasse a faixa de 11% até o final de 2017. 

Hoje, é possível ver que essa taxa caiu mais do que o esperado, variando entre 9 e 10%. Isso facilita o financiamento imobiliário, e somada à queda da inflação, incentiva o consumo e injeção de capital em diversas empresas a partir do final deste ano.    

Estabilização de preços

Com o reaquecimento da economia, as imobiliárias procuram liquidar o estoque de unidades novas e antigas (que foram devolvidas em virtude da incerteza de muitos compradores). Sendo assim, os preços tendem a baixar ou se estabilizar por algum tempo antes de voltarem a subir novamente, até a volta completa da segurança financeira do brasileiro.

Se antes os bancos tinham receio ao conceder empréstimos ou créditos e os compradores procuravam adiar a formação de novas dívidas a todo custo, o mercado imobiliário agora favorece o otimismo de quem quer comprar ou alugar algum imóvel até o início do ano que vem.

Portanto, a tendência neste momento é que tanto o corretor quanto o consumidor encontrem muitas ofertas com preços competitivos. 

Maiores limites de financiamento 

O aumento dos limites de financiamento anunciado pela Caixa, contemplando também nas novas regras do Minha Casa Minha Vida, é capaz de proporcionar maior inclusão e oportunidades para quem deseja dar entrada em sua casa própria.

Outra notícia que contribui para esse cenário mais favorável ao consumo é o anúncio do Conselho Monetário Nacional (CMN), que determinou um aumento de valores para o financiamento de imóveis com o uso do FGTS.

Como você pode perceber, o mercado imobiliário pode melhorar bastante até o final deste ano em virtude da retomada da confiança e renda do consumidor, além do fortalecimento da economia. Esses requisitos são propícios para o fim da recessão que o Brasil ainda enfrenta, mas que tende a ficar no passado.

E você, como está percebendo todas essas mudanças econômicas? Tem alguma outra previsão que promete marcar o final de 2017? Compartilhe a sua opinião conosco e deixe seu comentário aqui no post!

Sobre o autor

Rede Silvinho Ximenes

Baseada no Know how do empresário mineiro Silvinho Ximenes, referência reconhecida no mercado imobiliário nacional dentro de seus 50 anos de profissão, a Rede Silvinho Ximenes® já é reconhecida como uma das mais admiradas redes de imóveis, formada por corretores autônomos, full service do Brasil.

Deixar comentário.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Share This